terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

We3 de Grant Morrison e Frank Quitely


Imagem de meu exemplar.

Já faz algum tempo que lançaram We3, de Grant Morrison e Frank Quitely (dupla abordada na postagem anterior, quando falei de Grandes Astros Superman). A trama é simples: três animais domésticos são capturados pela Força Aérea gringa para o desenvolvimento de armamentos, baseados em robótica. Assim, eles recebem modificação genética e um exoesqueleto resistente, forte e com diversas armas, inclusive explosivos que - prestando bem atenção - são expelidos pelos ânus das máquinas. Quando ameaçados de abatimento pelo Chefe da operação militar, os três fogem e querem apenas retornar às suas casas. Enquanto buscam seus lares, são caçados pelo Estado, diante da ameaça que representam. E, enfim, é só isso. Uma história simples e bacana, sem as chateações de Grant Morrison sobre misticismo, ciência fajuta para leigos e demais abobrinhas. A arte de Quitely é primorosa e temos, na HQ, ângulos não usuais. O título é uma brincadeira em inglês, idioma original da obra. Enquanto representa Animal Weapon 3 (Arma Animal versão #03), também diz respeito à condição de equipe do time de animais, que reconhecem a necessidade de se manterem unidos e repetem sempre isso: We 3 (ou: nós três). Essencialmente, a história lida com a antiga relação entre homem e animal. É bonita a paixão da personagem Roseanne pelos bichos/armas. Além disso, o final da história fecha bem esse propósito mais do que explícito da HQ. É a segunda vez que essa publicação surge em nossa terrinha. Diferentemente da primeira edição (2006), essa trás mais dez páginas inéditas da trama, possui extras e capa dura. Preço informado: R$ 45,00. Mas comprei por R$ 25,00 utilizando desconto progressivo e bônus, além de um desconto de capa que já era ofertado pela Saraiva. Certamente, a HQ seria mais barata sem as desnecessárias vinte e oito páginas de extras com esboços e comentários que não interessam a quase nenhum leitor. Há algum tempo, ando puto da vida com esse desperdício de páginas. Já falei sobre isso na resenha de O Incrível Cabeça de Parafuso. De qualquer forma, considerando a possibilidade de comprar o livro por valor bem abaixo do preço de capa, recomendo. A história é ótima. Vale muito a pena. E o encadernado está caprichado.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

O comentário aqui é anônimo e não moderado. Contudo, pense bem se vale a pena perder seu tempo postando alguma ofensa gratuita.