domingo, 26 de fevereiro de 2017

Fortuna, O Cartunista dos Cartunistas [ Livro de Arte, Catálogo, Antologia ] [ Republicação de postagem de 08/17/14 do Blog do Neófito ]


Imagem de meu exemplar.
Sempre senti falta de um grande volume reunindo a obra de Fortuna. Sei que o cartum já passou da fase de moribundo e está morto há algum tempo, aguardando apenas que lhe joguem a última pá de terra sobre a carcaça. Mas ainda há muitos fãs dessa forma breve e certeira de expressão - a melhor forma (ainda) de expressão gráfica de uma ideia. Escrever é até fácil. Fazer quadrinhos, é difícil. E elaborar um cartum inteligente, ainda mais sem texto ou com a pouca necessidade deste, é para poucos. Reginaldo José Azevedo Fortuna foi um desses poucos, ao lado de gênios do traço e das ideias como Jaguar, Ziraldo, Vagn, Millôr, Henfil, Claudius entre outros que marcaram mais do que uma época específica de nossas imprensa inteligente e das artes gráficas. E que felicidade foi topar com o livro Fortuna, O Cartunista dos Cartunistas, pela Edições Pinakotheke, com seleção e organização do gênio da caricatura Cássio Loredano.

A obra não é uma mera reunião de trabalhos. Trata-se de um documento com toda a evolução gráfica do artista, ao longo de décadas. Os "capítulos" são divididos de acordo com sua participação em publicações diversas e ano de ingresso em tais periódicos, além de livros com seu trabalho. Tudo cronologicamente editado. É interessante notar que seu traço, durante anos, foi muito bem elaborado; entretanto, similar aos padrões comuns, coisa bem "cara de The New Yorker". Depois, precisando de linhas rápidas, encontrou seu estilo próprio e, daí em diante, fez escola. Continuou com um traço primoroso; entretanto, único. A ênfase do livro é a republicação de quase toda a produção de tiras de Madame e Seu Bicho Muito Louco. Além da generosa reprodução de cartuns, tirinhas, capas para livros e revistas. Vale muito a pena, também, a leitura de artigos escritos por Ferreira Gullar, Antônio Callado, Felipe Fortuna (filho do autor), Jaguar, Álvaro de Sá e P.M. Bardi.

O acabamento do livro é digno de reverência! São mais de 250 páginas em papel cuchê fosco de elevada gramatura e capa dura. O formato de 22,5 x 27,5 chama atenção, mas foi subaproveitado. É que sobrou muito espaço branco nas páginas. Algumas margens ficaram exageradamente grandes. O livro possui um caráter documental. Assim, as páginas das revistas e dos livros foram lançadas como imagens. Visualmente, isso importa bastante, além de proporcionar ao leitor a fruição dos trabalhos como originalmente publicados. Entretanto, por vezes, isso causa problemas: algumas reproduções ficam pequenas e a letras tornam-se liliputianas. Há trechos onde a arte está porcamente reproduzida (pela baixa resolução) e o texto quase impossível de se ler. Isso seria facilmente resolvido com a inversão da reprodução: ao invés da posição "retrato" em algumas páginas, a "paisagem". Assim, haveria melhor aproveitamento das páginas grandes.

No geral, entretanto, essa edição é excelente e merece a estante de quem é fã de cartuns e artes gráficas em geral, bem como quem possui uma quedinha em conhecer, com bom humor e perspicácia, a História de nossa republiqueta.





Um comentário:

  1. Um lançamento a preço salgado, mas aparentemente justo.
    O bom que atualmente já pode ser encontrado barato na estante v.
    https://www.estantevirtual.com.br/b/cassio-loredano-org/fortuna-o-cartunista-dos-cartunistas/2999174451

    ResponderExcluir

O comentário aqui é anônimo e não moderado. Contudo, pense bem se vale a pena perder seu tempo postando alguma ofensa gratuita.